13 de janeiro de 2013

Nós - Particularidades e Resistência dos tipos de nós




 Particularidades dos Nós

As cordas não funcionam sem os nós. Mas ao contrario do que muitos pensam, não é necessário que se conheça dúzias de nós. Precisa sim conhecer muito bem alguns poucos que são essenciais e poderão ser utilizados no dia a dia do Bombeiro Civil.

 Que são Nós?

São voltas aplicadas em cordas com o intuito de formar laços para aplicações diversas. Sempre devem ser bem executadas para que o nós atinja sua capacidade e eficiência.

TIPO DE NÓ    /   RESISTÊNCIA

Sem nó ---------------------- 100%
Oito ----------------------- 75~80%
Lais de Guia -------------- 70~75%
Pescador Duplo ---------- 65~70%
Volta de Fiel -------------- 60~65%
Nó de Fita ---------------- 55~65%

Sabemos, pela geometria elementar que, numa curva, definindo-se uma seção de angulação, o comprimento da circunferência interna é mais curta do que a externa. Assim, no caso de tração, as fibras externas da curva do nó serão submetidas mais do que as internas. Em média pode-se dizer que um nó enfraquece a resistência original da corda em 20 a 30%.

É importante que o usuário saiba o nó adequado para cada caso, não apenas levando em consideração a tensão diferencial, mas também a versatilidade, a facilidade em desmanche e a eficiência. Todo nó deve ser checado e ajeitado, alinhando a corda e evitando pontos de encavalamentos. Eles devem ser também apertados antes de serem usados.

Tipos de nós:

NÓ EM OITO: nó normalmente utilizado para o fechamento de cadeirinha (encordoamento), também pode ser empregado para fixação de corda ( ancoragem ), loop no meio da corda, etc. Em muitos campeonatos de escalada esportiva o nó em oito é obrigatório para o encordoamento.
Ainda que seja um nó que tende a apertar quando submetido à tração, é considerado um nó seguro devido a estabilidade. É muito difícil esse nó desfazer-se por si só. O nó pode ser feito diretamente na barriga da corda (normalmente na proximidade de uma das pontas, mas não é regra) para formar uma alça para içagem, ancoragem ou fixação.
Para o encordamento deve-se fazer um nó na ponta simples da corda, passar o chicote da ponta pelo(s) ponto(s) de encordoamento da cadeirinha, e percorrer o caminho reverso com a ponta do chicote até finalizar o nó. Esse nó apresenta como vantagem a confiabilidade e a versatilidade. O nó é muito estável e a resistência não altera consideravelmente com o fato da ponta com carga contornar o nó por fora ou por dentro da curva. As desvantagens está no fato de ser um nó de difícil desmanche após submetido à carga e ocupar muita corda (é um nó volumoso). O nó em oito requer quase o dobro da corda para fechar o lais de guia. Isso faz com que, em muitos trabalhos de resgate, dependendo da situação, acabe consumindo muita corda e formando bolos volumosos nos pontos de convergência de nós como no ponto central equalizado de ancoragem.
Uma importante regra para se lembrar nos trabalhos táticos: a alça da corda deve ser o menor possível para qualquer tipo de conexão. Entenda-se que o termo “menor possível”refere-se aos aspectos operacionais. Esse procedimento é importante para economizar a corda, pois as alças consomem o dobro de metragem do material.


NÓ EM NOVE: É a variação do nó em oito tradicional com meia volta a mais. Esse nó deve ser empregado basicamente da mesma forma que o nó em oito para cordas com diâmetro inferior a 9mm. A vantagem desse nó está no fato de ser mais fácil na hora do desmanche e ser um pouco mais forte em relação à tração. A desvantagem está no fato de consumir ainda mais corda do que o nó em oito.



LAIS DE GUIA: Este é o nó clássico dos escaladores. O seu uso para encordoamento não é tão popular hoje como já foi no passado. É um nó versátil fácil de fazer e desfazer. Também suporta bastante tensão mas tende a se afrouxar (e até se desfazer) sozinho, principalmente quando situações de tensão e alívio de carga repetem-se sucessivas vezes. O lais de guia deve ser fechado com a ponta livre dentro da alça. O fechamento com a ponta livre para fora não altera a resistência, mas a tendência do nó desfazer sozinho é muito maior. Existe uma série de variação nesse nó, quase que todos visando atenuar o problema de afrouxamento. Para evitar seu afrouxamento faça um arremate de nó, um cote na posta solta do nó, dessa forma você terá mais resistência desse nós e menos afrouxamento.


NÓ PESCADOR DUPLO: Nó para emendar duas cordas de diâmetros semelhantes. Muito utilizado para rapel de corda cheia e fechamento de solteiras de cordeletes. Esse nó tende a apertar bastante quando carregado dificultando o desmanche. No caso de cordeletes isso não chega a ser problema uma vez que é comum não termos a necessidade de desfazer o nó, mas no caso de emendar duas cordas deve-se tomar cuidado. É um nó muito compacto e simétrico, o que facilita a checagem visual.

NÓ PESCADOR TRIPLO: É uma versão com uma volta a mais do pescador duplo. A grande vantagem está no fato desse nó suportar cargas muito elevadas. Nos testes mostrou-se quase tão forte quanto um corda sem nó, mas consome bastante corda. O desmanche pode se tornar impossível, se uma vez tracionado, mas é o único nó aceitável para o fechamento de cordeletes de spectra.


VOLTA DO FIEL: Ou popular nó de porco, é utilizado para a auto-fixação com a própria corda. A volta do fiel é um nó simétrico e estático, isto é, não importa que ponta seja carregada, uma vez fechada, mesmo que a outra ponta esteja totalmente livre, não se solta por si só. Outra característica desse nó é a facilidade de ajuste e de desmanche. O procedimento de auto-fixação pode ser substituído por uso de uma fita auto-seguro. Esse nó é também utilizado na ponta da corda para ancoragem em árvores e postes, assim como para trabalhos em altura especialmente para amarrar galhos de árvores que serão cortados. Nesse segundo caso deve-se avaliar a direção do esforço para não correr o risco de posiciona -lo no sentido que a carga afrouxe o nó.


NÓ DINÂMICO UIAA: Nó utilizado para se dar segurança para o companheiro. Desde que seja empregado por uma pessoa devidamente treinada funciona muito bem para segurança de participante, mas o atrito é baixo e exige-se muita atenção. Apesar de ser no Brasil batizado com esse nome, não possui nenhuma aprovação pelo referido orgão (UIAA). A desvantagem desse nó é a torção que ele causa na corda. Já houve, num passado recente, comentários de que com o emprego desse nó poderia-se criar sistema de segurança ideal para trabalhos em resgate. No entanto, os testes foram desastrosos sendo que os corpos de testes, em muitos casos, despencaram até o chão. O nó UIAA não deve ser empregado para rapel.

BORBOLETA: É o nó utilizado para se criar uma alça no meio da corda para o encordoamento com o emprego de mosquetão de trava. Também é muito bom para ancoragem no meio da corda, pois o nó é simétrico, o que facilita a checagem visual, e suporta carga multidirecional. E tem fundamental eficiência para eliminação de ruptura de corda, é muito utilizado por alpinistas.


PRUSSIK: Nó bloqueante que pode ser utilizado para travamento de corda ou empregado para se executar procedimentos de subida. Normalmente utiliza-se cordins de 6 ou 7mm sobre cordas de 9 a 11 mm de diâmetro. Para trabalhos de resgate e operações táticas emprega-se a versão de três voltas com cordeletes de 8 ou 9 mm sobre corda estática de 10 a 12,5mm. Acredita-se que o diâmetro ideal do cordelete deve girar em torno de 70% do diâmetro da corda a ser bloqueada.

Os cordeletes macios tendem a apertar forte sobre a corda principal e dificulta a operação de soltura. Os cordeletes duros apresentam dificuldades em atingir o ponto de aperto crítico e podem escorregar. Para otimizar a eficiência em situações que necessitam de ajustes constantes é importante que se encontre cordeletes com maciez adequada.

A versão de duas voltas é o padrão geral para uso pessoal e funcionam muito bem quando corda e cordelete possuem diferentes tipos de construção estrutural. A versão de três voltas é empregada quando poder bloqueante superior é desejável como nas operações táticas e de resgate.
 

MARCHAND: Outro nó bloqueante que pode tanto ser feito com cordim ou com fita de nylon tipo solteira. Assim como prussik é utilizado para travamento e subida pela corda. Deve-se tomar cuidado pois o ajuste é mais complexo do que o prussik e apresenta uma certa facilidade em correr. Não se deve executar o nó marchand com fitas spectra, pois a superfície do material é muito lisa e o nó pode correr mesmo que esteja devidamente apertada.



"Aula básica de nós, saber o básico é fundamental. Após ter pleno conhecimento em resistência e confecção desses nós aí sim passe a estudar e conhecer outros nós"



  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

0 comentários:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo!

Seu comentário é sempre bem vindo! Basta respeitar. Comente, opine, se expresse! Esse espaço é para você!
Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o Formulário de Contato. Ao comentar você concorda com nosso Termos de Uso

Espero que tenha gostado do Blog SNC!, Volte Sempre!

* Não aceitamos propagandas de outros sites/blogs nos comentários sem a prévia autorização*