19 de fevereiro de 2017

Não use o Celular enquanto dirige



É grande número de acidentes causados por condutores que se utilizam de celulares ao volante. Tenho recebido bastante solicitação de palestras de conscientização sobre esse tema para empresas de logística, transportadoras, sucroalcooleiras e de transporte de passageiros. ( Sim, transporte de passageiros.)

Assista ao vídeo e deixe seu comentário a respeito. 


Não use o celular no trânsito.

Esse tema, sim é, relacionado a segurança do trabalho. Pois afeta a integridade e saúde de varias pessoas e aquelas que desenvolvem atividade remunerada, isto é, trabalham para alguma empresa conduzindo seus caminhões, ônibus, vans ou carros.

PRF/Divulgação Campanha
da Polícia Rodoviária Federal pretende reduzir uso de celular por motoristas e pedestres.


Nós da segurança do trabalho devemos encontrar a melhor forma de gerar a conscientização desse funcionários para que de alguma forma possamos reduzir os acidentes causados por esse tipo de negligencia.

Quando o condutor olha para a tela do seu celular, dura em média 23 segundos. Isso quer dizer, que se o veículo estiver a uma velocidade de 60km  por hora, esse condutor terá percorrido cerca de 380 metros sem prestar atenção na via.



Se o veículo estiver a 100km por hora, serão cerca de 640 metros sem prestar atenção na via. Em veículos mais pesados como caminhões e ônibus por exemplo, essa atitude aumenta em 23 vezes o risco de se gerar um acidente.


Estudos apontam que 1 em cada 3 acidentes que acontecem no Brasil são devido ao uso incorreto do aparelho celular, ou seja, a melhor prevenção é o bom senso. Jamais deve-se admitir ao condutores falar ao telefone ou checar mensagens enquanto dirige. 

Para o NHTSA, o departamento de trânsito dos Estados Unidos, usar dispositivos móveis enquanto dirige pode aumentar em até 400% o risco de acidente. De acordo com especialistas, é um risco muito maior que se o motorista estiver embriagado.

O tempo necessário só para pegar o celular e conferir o número de quem está chamando é de 4,5 segundos. Para reagir diante de um imprevisto no caminho com uma freada, o motorista leva 2,5 segundos se o veículo estiver a 100 quilômetros por hora, sendo 1,5 segundos para perceber o obstáculo e 1 segundo para começar a executar a reação. Os dados são da Faculdade de Engenharia Industrial (FEI) de São Paulo.



Então entendemos que se perde um tempo precioso visualizando quem chama e não prestando atenção na via.

Pense nos outros! Os acidentes de trânsito geralmente envolvem terceiros. A irresponsabilidade de não cumprir com a lei pode acabar prejudicando pessoas que não tem nada a ver com a sua negligência ao volante.

Hoje, se você for autuado usando o celular enquanto dirige, será considerado infração gravíssima.
Vale notar que o uso de celular não inclui apenas falar ao telefone, mas também usar smartphones para enviar mensagens em apps como WhatsApp e Facebook, tirar fotos, entre outras coisas.

Pense na vida das outras pessoas!


[ Se esse artigo foi útil para você, comente e compartilhe. Isso faz com que outras pessoas  compreendam melhor o assunto e também expressem suas opinião. ] 

Bons estudos!


  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

14 de fevereiro de 2017

Descrição de Cargo e Função



A descrição de cargo ou função é pratica bastante conhecida em segurança do trabalho, mais não só na segurança, também é quesito importante para quem atua no RH e Qualidade seguindo os preceitos das ISOs, nesse caso a ISO 9001.

Tendo em vista a grande solicitação de explicação referente a esse assunto, vou comentar um pouco como se faz a descrição de Cargo e Função para as ordens de serviço ( O.S ), que mais tarde servirão para a elaboração de outros documentos que necessitem delas como o PPRA por exemplo.

Você precisa ter não só a descrição do cargo e atividades a serem exercidas como também, ter uma "ficha" completa referente a todos esses dados, entre eles Identificação de Cargo já existente, Localização do Cargo, Descrição de Competências.

Não existe uma maneira simplicidade de ser fazer isso, realmente você terá que ir até o setor, irá analisar  o cargo e função que provavelmente já existem e daí sim, irá descrever de forma criteriosa.
Comece as descrições de cargo pelos cargos de gerência, pois quando o profissional que irá fazer as descrições tem um conhecimento global de cada área, a descrição dos demais cargos torna-se mais fácil.


1 - O que é uma Descrição de Cargo ou Função?
É descrever, especificar, dizer exatamente aquilo o que é necessário para ocupar aquele cargo. 

Sendo assim você terá que apontar as Habilidades, as responsabilidades, os requisitos, as atribuições e também onde se localiza o cargo em questão.

Isso deve ser realizado com o auxilio de quem já desempenha a função, com apoio do RH e até da diretoria.

2 - Para que serve a Descrição de Cargo ou Função?
A descrição do cargo ou função serve para mostrar quais requisitos são necessários para se ocupar o cargo em questão, isso em gestão de pessoas é muito importante.

Esse documento é de grande importância na empresa, pois ele irá auxiliar na elaboração de outros documentos como o PPRA, Investigação de Acidentes, Mapa de Risco, Analise Ergonômica Ordem de Serviço e tantos outros.

3 - Como faço a Descrição de Cargo ou Função?
Não é uma tarefa difícil, mas necessita de atenção e observação crítica a fim de descrever com veracidade aquilo que se observa e que teremos como atividades de uma determinada função.

Para que a descrição aconteça, podemos dividir o serviço em 3 etapas para facilitar, que são:
  • Identificação de Cargo já existente ou não ; 
  • Localização do Cargo; 
  • Descrição de Competências.


1 - Identificação de Cargo já existente
Devemos começar pelos cargos já existentes, deve ser feito um organograma funcional, é mais fácil para determinar as funções e a hierarquia desses cargos.

Quando existir a necessidade de criar um cargo ou função nova, aí sim iremos pontuar no organograma aquele cargo ou função, com seu superior hierárquico.

Use o termo “Ajudante” quando aquele colaborador ajudar a uma pessoa, por exemplo: Ajudante de Mecânico e Ajudante de Eletricista e o termo “Auxiliar” quando um empregado auxilia numa tarefa.

2 - Localização do Cargo
Aqui devemos identificar qual é o cargo ( Nome do Cargo ), deve ser criterioso, escreva o nome do cargo por completo, sem cortes e nem abreviações - exemplo: Técnico de Segurança do Trabalho ou Analista de Recursos Humanos Junior, isso facilita na identificação de cada função.

Defina o setor ao qual pertence aquela função, por exemplo Setor: Segurança do Trabalho - Função: Técnico de Segurança do Trabalho.

Identifique quem é o superior imediato daquela função, como no nosso exemplo - Técnico de Segurança do Trabalho sempre responde ao Engenheiro de Segurança do Trabalho. Esses critérios deverão ser realizados com base na realidade laboral da empresa.

3 - Descrição de Competências
Devemos pontuar as funções e suas responsabilidades, a formação escolar mínima para a função, as habilidades necessárias, os cursos e conhecimentos necessários e também o tempo de experiencia desejável.

Simples, fácil e rápido. Mas lembre-se, sempre deve apontar a realidade da empresa.

Estou disponibilizando um modelo de descrição de cargo ou função para Download Grátis.

Descrição Cargo e Função


[ Se esse artigo foi útil para você, comente e compartilhe. Isso faz com que outras pessoas  compreendam melhor o assunto e também expressem suas opinião. ]

Bons Estudos! 


  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

12 de janeiro de 2017

Escala de Ringelmann - Fumaça Preta



Como já vimos em artigo anterior, falei sobre o desenvolvimento do método de Escala Ringelmann, de quando, quem criou, por que ? e etc...

Se você não leu esse artigo, aqui está o link, acesse e compreenda um pouco mais.  

Leia clicando aqui  Controle e Monitoramento da emissão de fumaça preta

A partir desse artigo, eu tive grande procura por informações relacionadas, como desenvolver os laudos e o monitoramento da fumaça preta com a Escala de Ringelmann. De como seria o procedimento utilizando a escala de Ringelmann.

Sendo assim resolvi fazer esse novo artigo para complementar o anterior e trouxe alguns arquivos e planilha para o monitoramento e acompanhamento do enegrecimento da fumaça. 

Esse arquivos servem para se fazer o acompanhamento tanto em maquinas, equipamentos e veículo com motor a diesel quanto podem ser aplicados na indústria também, mas nesse caso deve-se fazer algumas adaptação nos arquivos para ficarem ao contento da situação.

Temos 4 arquivos para trabalhar com o monitoramento da fumaça preta:

1 - Instrução de Trabalho em Gestão Ambiental com Escala de Ringelmann;
Aqui temos a instrução de monitoramento, o documento base para a gestão ambiental e onde vamos anexar todos os outros arquivos após monitoramento.

2 - Planilha de Monitoramento de fumaça preta;
Essa planilha servirá para nos manter sempre informados quanto a nossa frota de caminhões, tratores, caminhonetes, enfim ela irá nos mantém informados em relação à todos os veículos, pode ser adaptada para maquinas e equipamentos.

3 - Anexo I - Tabela de Monitoramento e Índice de Fumaça Preta;
Deve ser preenchida como os dados que a mesma solicita e com as avaliações encontradas após monitoramento com o uso da Escala de Ringelmann.

4 - Anexo II - Escala de Ringelmann;
Esse Anexo tem como caráter informativo, ele deverá estar anexado ao documento base como prova de que foi utilizado a Escala de Ringelmann como base de Monitoramento. ( Você deve comprar as Escalas de Ringelmann para fazer o uso, pois se fizer a impressão dessa, não terá a mesma intensidade de cores como na Escala Original.).

Como quase ninguém sabe onde adquirir as Escalas de Ringuelmann, aí segue link da Cetesb, onde é possível adquirir sem complicação. Ou procure pelo órgão ambiental do seu estado.

Link de Onde comprar o cartão de Escala de Ringelmann


Também temos duas publicações de portarias referentes ao assunto da fumaça preta, os mesmo são bons para o estudo da legislação onde aponta a preocupação do governo em relação a poluição causada pelos motores a diesel e o controle e monitoramento dessa fumaça com o auxilio da Escala de Ringuelmann.

Portaria 38/14 do DENATRAN divulga os limites de emissões de gases e os procedimentos para a fiscalização de veículos do ciclo diesel e do ciclo otto, motociclos e assemelhados do ciclo Otto,  conforme a Resolução CONTRAN n° 452, de 26 de setembro de 2013.( Dispõe  sobre  os  procedimentos  a serem adotados  pelas autoridades  de  trânsito  e  seus  agentes  na fiscalização  das emissões de gases de escapamento de veículos automotores de que trata o artigo  231, inciso  III,  do Código de Trânsito Brasileiro (CTB). 

- Link Portaria 38/14

- Link Instrução Normativa IBAMA nº 06/10

- Link Resolução CONTRAN n° 452, de 26 de setembro de 2013

A poluição que é causada pela fumaça preta, não é só um problema ambiental. Essa questão é latente em outros setores como a Segurança do Trabalho e do Conselho Nacional de Trânsito.

Em qualquer um desse setores o excesso dessa fumaça em níveis não conformes serão passivos para a geração de multas e outros procedimentos punitivos.

Bônus
Nas minhas pesquisas pela internet acabei encontrando um App para smartphone que auxilia no monitoramento da fumaça preta.
O APP você pode baixar sem custos. Você recebe 5 créditos para os testes. O sistema é baseado em créditos, cada foto tirada equivale a 1 crédito.
Os créditos podem ser recarregados dentro do Portal, no mesmo, você terá acesso ao laudo e muitas outras coisas. O APP, faz a aferição; O Portal, configurações e impressão do laudo.

Segue para Download Gratuito os arquivos e a planilha para Gestão Ambiental da Fumaça Preta. 


Ringelmann


[ Se esse artigo foi útil para você, comente e compartilhe. Isso faz com que outras pessoas  compreendam melhor o assunto e também expressem suas opinião. ]

Bons estudos!




  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

7 de janeiro de 2017

Relatório de Segurança do Trabalho



Onde existe técnico de segurança, também existirá o Relatório de Segurança do Trabalho. Esse documento é desenvolvido pelo técnico apontando suas atividades em um determinado período, afim de apontar tudo aquilo que ele averiguou, ocorrências, sinistros ou qualquer outra situação que necessite ser relatada a superiores. Ele também pode ser elaborado pelo engenheiro sem nenhum problemas.

Para darmos inicio ao nosso relatório é necessário que façamos uma analise previa de quem irá recebe-lo( Gerente, gestor ou o patrão ), devemos tomar o cuidado de escreve-lo em uma linguagem clara para que seja de fácil compreensão.

O Relatório pode ser dividido em categorias distintas, dessa forma podemos elaborar vários tipos de relatórios e segurança diferentes, como:

Relatório de Pesquisa;
Relatório de Rotina;
Relatório de Controle de Perdas;
Relatório de Gestão;
Relatório de Investigação de Acidentes e Incidentes;
Relatório de Condições e ou Comportamentos Inseguros;
Relatório de Curso/Treinamento; etc...


O relatório deve ser claro e objetivo, deve dar o entendimento da realidade para o leitor e deve apontar:

O que aconteceu? - expor os fatos;
O que você acha sobre o fato ocorrido? - analise e conclusão;
O que deve ser feito? - apresentar soluções e justificativas;

Para sua confecção deve-se ter em mente uma estrutura básica de relatório onde se deve constar:

Introdução;
Sumário;
Corpo;
Conclusões;
Recomendações/Proposta de Melhoria;
Anexos;


Com esses 06 itens iremos moldar nosso relatório para qualquer situação e iremos fazer com que as informações nele contido, seja exatamente o que expressa a realidade do acontecimento.

Sendo assim, vou deixar mais fácil a compreensão para cada item e depois vocês trabalhem melhor cada item com o que vocês já estão habituados ou o que melhor convier.

1-Introdução;
A introdução ou apresentação aponta o trabalho, o fato, o ocorrido. Aqui deve ser exposto ou apresentado o problema e também qual a finalidade do documento.

2-Sumário;
Aqui vamos apontar cada capitulo do nosso relatório.

3-Corpo;
No corpo do Relatório é que se faz o desenvolvimento de tudo, aqui iremos relatar detalhadamente os fatos. Podemos dividir essa parte do documento em outra 4 partes.
-Método - aqui devemos apontar em ordem cronológica e exata os acontecimentos e procedimentos adotados.
-Descrição - deve ser descrito minuciosamente os fatos.
-Resultado - aqui deve-se relatar os resultados do trabalho, da pesquisa ou das ações tomadas.
-Discussão e Embasamento Legal - Aqui devemos apontar o que entendemos quanto aos resultados e as normas vigentes que foram utilizadas  para embasamento.
Obs: nessa etapa do documento temos que convencer o leitor pela razão dos fatos.

4-Conclusões;
A conclusão é feita levando-se em conta os fatos que apresentamos.

5-Recomendações/Proposta de Melhoria;
As recomendações sempre devem ser fundamentadas nas conclusões e devem oferecer a solução para o fato relatado.
Aqui é bom utilizar de uma ferramenta de analise de melhoria, como por exemplo 5W2H ( O que?, Por que?, Aonde?, Quando?, Quem?, Como?, Quanto? ) permitindo um melhor registro e gerenciamento das recomendações mencionadas.  O apontamento de normas de segurança também é muito bem vindo nessa parte do documento.

6-Anexos;
Os anexos, essa é uma parte de muita importância pois é aqui que iremos usar de planilhas, tabelas, imagens, certificações, credenciais, ART, fotos, etc. A intenção dos Anexos são de ilustrar aquilo que relatamos anteriormente no corpo do documento.

Todo esse esforço para relatar algo, apontar uma situação, mostrar algum fato, solicitar melhorias, evidenciar erros, investigar acidentes enfim, tantas outras situações.

 
Estou deixando um exemplo de Relatório de Acompanhamento de Obra  para ilustrar esse artigo. Fiquem a vontade para baixar.


RAO



[ Se esse artigo foi útil para você, comente e compartilhe. Isso faz com que outras pessoas  compreendam melhor o assunto e também expressem suas opinião. ]


Bons estudos!
 


  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

24 de dezembro de 2016

Feliz Natal e Próspero Ano Novo!



Que a luz, trazida por jesus continue a iluminar com paz, amor e muito respeito os caminhos que levam à Deus.

Um feliz Natal e um Ano de 2017 repleto de realizações.


São os votos da Equipe Blog SNC!, Grupo Alpha Seg e TST Controle aos Amigos, Alunos, Clientes e Parceiros.



  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

8 de dezembro de 2016

NR7 PCMSO - Exames



Sim, hoje vou falar um pouquinho sobre PCMSO, na verdade vou trabalhar a parte de exames, dar uma explicação referente aquela parte que só o médico do trabalho faz e que parece ser algo muito complicado. Na verdade não é tão complicado, basta seguir alguns preceitos normativos que tudo se resolve.

Por determinação da NR07, o médico do trabalho tem como objetivo a promoção e preservação dos trabalhadores. Para isso ele deve solicitar alguns exames médicos que irão atestar como anda a saúde desse trabalhador.

Esses exames, serão  parte integrante de um ASO - Atestado de Saúde Ocupacional e do PCMSO - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, que por sua vez é um programa que está atrelado ao PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais.

Após o levantamento dos riscos ambientais e a confecção do PPRA pelo profissional de segurança do trabalho da empresa, o mesmo encaminha o PPRA ao médico do trabalho, que o tomará como base para o desenvolvimento do PCMSO. Ele irá verificar no PPRA quais riscos são existentes na empresa e por aí irá solicitar cada tipo de exame conforme cada função.

O médico do trabalho irá solicitar os exames conforme NR7 item 7.4.1.
  • Admissional,
  • periódico,
  • retorno ao trabalho,
  • mudança de função,
  • demissional,
Também poderá solicitar além desse exames  uma Avaliação Clínica, abrangendo Anamnese Ocupacional, Exame Físico e Mental e também os Exames Complementares.

Você sabe em que momento deverá ser realizado cada um desses exames? Pois bem, vamos ver logo abaixo como aplicá-los.


OBS: Deve ser observado o Grau de Risco da Empresa, o Quadro I da NR4, o Anexo 6 da NR15, os Quadros I e II da NR7.

Link para a NR7 Clique Aqui!

Lembrando que deverá ser emitido ASO - Atestado de Saúde Ocupacional e 2 vias. Uma delas deverá ficar arquivada no local de trabalho ou frente de trabalho desse trabalhador à disposição de fiscalização, a outra via deverá ser entregue ao trabalhador.

Todos os resultados, conclusões e medidas aplicadas dos exames médicos, incluindo avaliação clínica e exames complementares deverão ser registrados em prontuário clínico individual e ficará sob responsabilidade do médico coordenador do PCMSO. Deverá ficar guardado por um prazo de 20 anos.

Espero que tenha dado para ter uma base de como são solicitados os exames para cada trabalhador de acordo com a sua função.

Bons estudos!
[ Se esse artigo foi útil para você, comente e compartilhe. Isso faz com que outras pessoas  compreendam melhor o assunto e também expressem suas opinião. ]


  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF