13 de julho de 2013

Controle e Monitoramento da emissão de fumaça preta


Na década de 1890, um Engenheiro Francês de nome Maximilian Ringelmann, precisando regular a queima nas caldeiras das indústrias, criou uma escala que leva seu nome, e que permitia o ajuste da quantidade de combustível consumido em um dado momento, a partir da visualização da fumaça saída pela chaminé.

Essa escala é na verdade uma lâmina de papel com uma perfuração central, de cinco lados, ao redor dos quais existem tonalidades cinza progressivamente mais escuras, desde o branco até o preto, e numeradas de 1 a 5.
Ao mirar a fumaça saindo da chaminé contra o fundo criado pelo céu, escolhia-se a tonalidade de cinza que melhor representava a fumaça emitida, 1, 2, 3, etc., permitindo então corrigir-se a queima da caldeira, aumentando ou diminuindo o fornecimento de combustível.

O sucesso desse simples invento foi marcante, e extrapolou a área de caldeiras. Assim é que quando começaram a surgir os primeiros veículos práticos movidos a diesel, por volta dos anos 1920, a Escala de Ringelmann, passou a ser adotada como forma de avaliar seu funcionamento.

Como é a Escala de Ringelmann?

É um cartão com um furo no centro. Ao redor do furo são impressos 5 padrões de cinza, do mais claro até o preto. O fiscal olha pelo furo em direção ao veículo que está sendo verificado e compara a cor da fumaça aos padrões de cinza. Estando a cor da fumaça igual a escala 3, 4 ou 5 da escala, o veículo é multado.


Ringelmann é forma oficial (prevista em lei), para a avaliação da fumaça de motores diesel, no país, para resolver as limitações da escala, foi desenvolvido o OPACÍMETRO. A escala de Ringelmann é uma escala gráfica para avaliação calorimétrica de densidade de fumaça, constituída de seis padrões com variações uniformes de tonalidade entre o branco e o preto conforme defendido no item 3.6 da NB-225 da Associação Brasileira de Normas Técnicas.

O que é o “Opacímetro”?

É um instrumento óptico que mede a quantidade de fumaça emitida por um veículo movido a diesel.
Quanto mais fumaça, maior é o valor da opacidade medida. É bem mais rigoroso que a Escala Ringelmann.

Os padrões são apresentados por meio de quadrados retangulares, com redes de linhas de espessura e espaçamento definidos sobre um fundo branco. Os padrões da Escala Ringelmann são numerados de 1 a 5 assim definidos:

Padrão 1 - reticulados com linhas pretas de 1 mm de espessura, deixando, como intervalos, quadrados brancos de 9 mm de lado, até 20% de névoa (veiculo está conforme).
Padrão 2 - reticulado com linhas pretas de 2,3 mm de espessura, deixando, como intervalos, quadrados brancos de 7,7 mm de lado, até 40% de névoa (veículo está conforme).
Padrão 3 - reticulado com linhas pretas de 3,7 mm de espessura, deixando, como intervalos, quadrados brancos de 6,3 mm de lado, até 60% de névoa (veículo está DESCONFORME).
Padrão 4 - reticulado com linhas pretas, de 5,5 mm de espessura, deixando, como intervalos, quadrados brancos com 4,5 mm de lado, até 80% de névoa (veículo está DESCONFORME).
Padrão 5 - inteiramente preto; até 100% de névoa (veículo está DESCONFORME).

Todo veiculo polui o ar, independente do combustível utilizado. Alguns combustíveis emitem determinados poluentes em maior quantidade que outros, e todos devem atender uma “média” imposta por lei.

Os principais poluentes emitidos por veículos automotores são


Monóxido de Carbono (CO);
Hidrocarbonetos (HC);
Óxidos de Nitrogênio (Nox);
Óxidos de Enxofre (Sox);
Aldeídos;
Material particulado (Fuligem, poeira, metal, etc.).


Cada um destes poluentes é emitido em maior ou menor quantidade, dependendo do combustível utilizado, do tipo de motor, da sua regulagem, do estado de manutenção do veículo e do modo de dirigir. O aumento do consumo de combustível (veículo desregulado) aumenta, consequentemente, a emissão de poluentes.


Mesmo com o motor desligado, ocorre a evaporação de combustível pelo respiro do tanque e sistema de carburação do motor e grande parte destes vapores é lançada na atmosfera. Individualmente as emissões de um veículo é pequena. Entretanto, a concentração de milhares de veículos, fato que ocorre nas grandes cidades, gera toneladas de poluentes por dia.

Como evitar a fumaça preta.

Mantenha seu veículo regulado de acordo com as especificações do fabricante. Além de reduzir a poluição, você prolonga a vida do motor e economiza combustível.
Evite transitar por vias congestionadas, procurando, sempre que possível caminhos alternativos. O anda-pára do trânsito congestionado aumenta o consumo de combustível e a emissão de poluentes.
Procure utilizar meios de transporte coletivo, sempre que possível.
Se o seu veículo utiliza diesel, mantenha o sistema de injeção de combustível regulado, conforme especificação do fabricante.

Quando parado no tráfego, não acelere seu veículo desnecessariamente. Acelerando, você aumenta a emissão dos poluentes.
Observe o período de troca do(s) filtro(s) de ar. Filtro sujo aumenta o consumo de combustível e o veículo polui mais.

Monitoramento

O monitoramento de poluentes atmosféricos está relacionado com a quantificação e qualificação de determinados parâmetros definidos através da legislação ambiental ou de critérios operacionais. Este possui uma série de objetivos dos quais se destaca a geração de informação para tomada de decisão, gestão ambiental e gestão urbana.

Para se fazer o monitoramento da fumaça preta é necessário o uso da Escala Ringelmann mais a planilha de anotações de níveis de fumaça preta, com isso iremos ter uma maior certeza se realmente já está na hora de adequações nos veículos e com isso garantindo uma melhor condição do meio ambiente garantindo a diminuição do poluente.

,        






Fonte: http://www.cetesb.sp.gov.br/


Atualização de Conteúdo em 13/02/2016

Fumaça Preta – Formulários para Recursos de Multas

Segue link do site da Cetesb onde se pode ter acesso aos formulários para Recorrer as Multas por Emissão Excessiva de Fumaça – Fumaça Preta.

Qualquer dúvida, ligue para o Disque Meio Ambiente: 0800 11 3560 das 8 às 17 horas.
A ligação é gratuita.

Cetesb Fumaça Preta

- Link para artigo complementar aqui do blog, com arquivos para download da Gestão Ambiental da Fumaça Preta.    Escala de Ringelmann - Fumaça Preta     Vale a pena conferir.
Artigo publicado em 12/01/2017


  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

2 comentários:

  1. Bom dia, meu nome e Itallo, sou engenheiro civil, recentemente me solicitaram esse laudo de fumaca preta dos guindastes da minha obra, eu na qualidade de engenheiro civil posso esta elaborando e assinando este laudo tecnico ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Itallo, obrigado por comentar e ler nosso Blog, seja sempre bem vindo.

      Em relação a elaborar e assinar o laudo, pode, mas seria melhor se tivesse o respaldo de um Engenheiro de Segurança do Trabalho, mais nada o impede de fazer.

      Basta estar atento aos quesitos solicitados pela legislação pertinente e anexar as medições ( monitoramento da fumaça preta ) e acompanhamento feito na obra a esse laudo, fazer o recolhimento de uma ART e "bola pra frente".


      Você poderá obter maiores informações e também poderá adquirir as Escala Ringelmann na Cetesb mais próxima de você.

      Espero ter ajudado. Seja sempre bem vindo!
      Grande Abraço.

      Excluir

Seja Bem Vindo!

Seu comentário é sempre bem vindo! Basta respeitar. Comente, opine, se expresse! Esse espaço é para você!
Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o Formulário de Contato. Ao comentar você concorda com nosso Termos de Uso

Espero que tenha gostado do Blog SNC!, Volte Sempre!

* Não aceitamos propagandas de outros sites/blogs nos comentários sem a prévia autorização*