10 de julho de 2014

Com queima da cana proibida, produtores antecipam corte

Os pequenos produtores de cana das regiões de Ourinhos e Jaú (SP) foram pegos de surpresa com a decisão da Justiça Federal de que a Cetesb não poderá mais emitir autorizações para a queima da palha da cana-de-açúcar. Segundo a nova medida, as novas licenças só poderão ser dadas pelo Ibama, após a apresentação de um estudo ambiental.

Com a decisão, os pequenos produtores tiveram que antecipar o corte mecanizado, previsto só para 2017, o que significa recorrer a financiamentos para comprar máquinas. A mudança também tirou o emprego de vários cortadores e reduziu os ganhos de quem permanece nos canaviais.
Atualmente, 30% da cana plantada no estado pertencem a pequenos produtores. Com base em um acordo feito com o governo paulista, em canaviais com até 150 hectares onde as máquinas não entram, a queima da palha terá de ser eliminada até 2017. Já em áreas maiores, a queima terá que acabar este ano e a colheita vem sendo feita com tratores rurais.


Revisão de orçamento

O fim da queima da palha levou o agricultor Gilson e o irmão Nilson Pires a reverem o orçamento. Eles deixaram de contratar mais de 80 cortadores de cana e a família teve que recorrer a um financiamento para comprar uma colhedora de cana que custa R$ 800 mil reais. “Minha alternativa é correr atrás da mecanização, sendo que a gente esperava isso até 2017. Todos os produtores estão conscientes com a questão do meio ambiente. A única coisa que pesava era uma questão financeira e de se adequar dentro dos parâmetros que há necessidade para poder cortar cana. E a remuneração da cana não está sendo suficiente para cobrir todos os custos”, diz Gilson.
Essa mudança no campo surgiu de decisões da Justiça Federal, que suspendeu as licenças e autorizações dadas pela Cetesb em várias regiões do estado e passou a exigir dos agricultores o estudo de impacto ambiental para a concessão de novas autorizações de queima. Na região de Ourinhos, as queimadas estão proibidas em 21 municípios.

As usinas estão colhendo a cana dos fornecedores, mas o custo aumenta. No sistema mecanizado a tonelada colhida e carregada sai por R$ 18,90. No corte manual, passa para R$ 27, 59.
A associação que representa os pequenos produtores de cana da região de Ourinhos recorreu da decisão, mas enquanto não houver uma nova manifestação da Justiça, quem queimar a palha poderá pagar multa de até R$ 5 mil por hectare. Na região de Jaú, em doze municípios a queima também está suspensa.
 
Fonte: G1
  •  Facebook
  •  Twitter
  •  Google+
  •              Print Friendly Version of this pageImprimir Get a PDF version of this webpagePDF   

0 comentários:

Postar um comentário

Seja Bem Vindo!

Seu comentário é sempre bem vindo! Basta respeitar. Comente, opine, se expresse! Esse espaço é para você!
Se quiser fazer contato por e-mail, utilize o Formulário de Contato. Ao comentar você concorda com nosso Termos de Uso

Espero que tenha gostado do Blog SNC!, Volte Sempre!

* Não aceitamos propagandas de outros sites/blogs nos comentários sem a prévia autorização*